Return to site

PM de Witzel invade Jacarezinho, mata quatro e policial humilha rapaz negro com cascudosPM de Witzel invade Jacarezinho, mata quatro e policial humilha rapaz negro com cascudos

Presidenta da Comissão de Direitos Humanos da ALERJ alerta que a cena, considerada como abuso de autoridade, é mais comum do que se imagina

· Materias

Uma operação realizada pelo Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), da Polícia Militar do Rio de Janeiro, na favela do Jacarezinho atormentou moradores na manhã desta segunda-feira (16) e deixou ao menos quatro mortos. Dando seguimento à política higienista de Wilson Witzel (PSC), uma das cenas da invasão, flagrada pelo Globocop, da TV Globo, mostra abuso de autoridade de um policial que resolve dar socos na cabeça de um jovem negro considerado suspeito enquanto o rapaz estava imobilizado.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

Moradores afirmam que ouviram tiros desde as 5h30 da manhã, o que gerou pânico e ainda interrompeu a circulação de trens de uma das linhas da SuperVia. “As pessoas estão com pavor de sair. O helicóptero sobrevoou a região muito baixo. Apesar da rotina de medo, eu fico horrorizado com isso”, disse um morador a Ana Carolina Torres e Diego Amorim, do Jornal Extra.

“É tiroteio todo dia, sempre de manhã. Eu não consigo sair de casa para trabalhar, já perdi até emprego por causa disso. Hoje vai ser mais um dia. Pego às 9h no Leblon, são 8h15 e eu ainda estou aqui no ponto de ônibus. Só agora acalmou e consegui sair de casa mais tranquilo”, contou outro morador aos repórteres do Extra.

A política de segurança do governador Wilson Witzel tem registrado um número de mortos em operações policiais superior aos anos anteriores. O ex-deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ) condenou o governador pelas quatro mortes registradas nesta segunda-feira. “Mais 4 mortos em operação no Jacarezinho. PMs do Choque flagrados em abuso de autoridade. Em 7 meses, a polícia matou 1.075 pessoas no RJ. Witzel legitima o extermínio como política de Estado criminoso”, tuitou.

Veja também: Novos diálogos da Vaza Jato revelam que Barroso orientava Dallagnol

Além do medo causado pela operação, uma cena chamou a atenção. Um policial aparece dando “cascudos” em um jovem detido, atitude considerada abuso de autoridade. O PM foi preso e pode ser punido. “Não há por que dar cascudo em ninguém na favela. Policial não é pai, nem pode usar a força dessa forma”, foi o que declarou o comandante do BPChoque, o coronel André Batista.

A deputada estadual Renata Souza (PSOL-RJ), presidenta da Comissão de Direitos Humanos da ALERJ, condenou o episódio, mas disse que ele é mais comum do que se imagina. “Imagens mostram um jovem negro sendo torturado. Ele estava imobilizado e recebeu cascudos no meio da rua. Essas situações se repetem nas favelas do Rio de Janeiro diariamente. Imaginem uma mãe assistindo uma cena dessas. Absurdo!”, declarou.

All Posts
×

Almost done…

We just sent you an email. Please click the link in the email to confirm your subscription!

OK