Return to site

Na Alerj, bancada do PSOL reclama que projeto original foi aprovado para beneficiar os seis deputados presos

Após ‘jabuti’, Alerj dá mais prazo para parlamentares que estão na cadeia

· Materias

RIO — Num dia marcado por acusações da bancada do PSOL, que alegou ter tido seu projeto desfigurado, a Assembleia Legislativa aprovou na quinta-feira, em primeira discussão, a mudança do regimento interno da Casa que garante a deputados presos um prazo maior para tomar posse. Ao contrário do texto original, que previa apenas a convocação de suplentes e o não pagamento dos salários aos acusados, o Legislativo aprovou, em primeira discussão, uma versão, com emendas, que dá aos políticos um prazo de quatro anos para assumirem os mandatos. Pela regra anterior, eles perdiam o direito após 60 dias de faltas.

Enfática, a autora do projeto de resolução, Renata Souza (PSOL) disse que seu texto não ampliava o prazo para os políticos, que foram presos preventivamente por envolvimento em corrupção, se apresentarem ao trabalho. Sem atribuir o “jabuti” a um dos colegas especificamente, ela disse que a intenção de seu partido era outra.

A reclamação mira emendas apoiadas pelo presidente da Alerj, André Ceciliano (PT), e também por Waldeck e Luiz Paulo. As alterações no texto prolongam o prazo final para a posse dos deputados de 2 de abril deste ano para fevereiro de 2023, quando tem fim a atual legislatura. Na edição de quinta-feira, O GLOBO publicou declaração em que Renata Souza disse ser a favor de que os presos, caso inocentados, assumissem seus mandatos. Ela explicou que se referia ao procedimento que julga mais correto: o Conselho de Ética da Alerj é que, na opinião dela, deve decidir sobre cada caso.

O texto com as emendas foi aprovado na quinta, em primeira discussão, em votação simbólica, no plenário da Alerj. Para que a mudança no regimento se concretize, o projeto precisará ser novamente avalizado pelo plenário, em nova sessão prevista para ocorrer na primeira semana de legislatura após o carnaval. Autor do texto original feito em conjunto com a bancada do PSOL, o deputado Luiz Paulo, no entanto, afirmou que apoia a extensão do prazo para a posse dos detidos.

A emenda, apesar de apoiada por Luiz Paulo e Waldeck, é de autoria do presidente da Alerj, André Ceciliano. Estão em prisão preventiva André Corrêa (DEM), Chiquinho da Mangueira (PSC), Luiz Martins (PDT), Marcos Abrahão (Avante), Marcus Vinicius Neskau (PTB) e Anderson Alexandre (SD).

Jornal O Globo

Link da matéria

All Posts
×

Almost done…

We just sent you an email. Please click the link in the email to confirm your subscription!

OKSubscriptions powered by Strikingly