Return to site

Cremerj e Defensoria Pública são ouvidos na Alerj na CPI do Hospital da Mulher de Cabo Frio, no RJ

Sexta reunião foi realizada na manhã desta terça-feira (21). CPI cobrou resolução imediata para que o hospital, que está interditado desde quinta-feira (16), seja reaberto.

· Materias

Representantes do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) e da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro foram ouvidos na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de janeiro (Alerj) nesta terça-feira (21) pela CPI do Hospital da Mulher de Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio.

A CPI cobrou uma resolução imediata para que o hospital, que está interditado desde quinta-feira (16), seja reaberto.

A presidente da CPI, deputada Renata Souza, disse que a Defensoria Pública apresentou para a Prefeitura de Cabo Frio a possibilidade da construção de um plano de contingenciamento para que as mulheres não fiquem desassistidas.

"Com a interdição do Hospital da Mulher, nós da CPI nos preocupamos com o fato de para onde irão estas mulheres que precisarem ter filhos", disse a presidente da CPI.

O G1 entrou em contato com a Prefeitura de Cabo Frio para saber sobre o plano de contingenciamento, e o município respondeu que "a Prefeitura recebeu até agora somente o informe da interdição".

Em nota, a Defensoria Pública informou que esclarece que acompanhou vistoria realizada pelo Cremerj no Hospital da Mulher com o intuito de "assegurar que não houvesse a interrupção do atendimento à população, tendo para tanto no mesmo dia entregue à Secretaria de Saúde uma recomendação para que seja criado um plano de contingenciamento para que as mulheres não fiquem desassistidas".

Ainda de acordo com a Defensoria, a interdição não partiu dela.

CPI

A CPI foi instaurada para apurar a morte de bebês na unidade de saúde. De janeiro até abril deste ano, 17 bebês morreram no hospital.

A comissão na Alerj já ouviu o secretário de Saúde do Município, Márcio Mureb, e dois ex-diretores do Hospital da Mulher de Cabo Frio, Lívia Natividade, que ocupava o cargo de diretora, e Paul Hebert Dreyer, seu marido e ex-diretor geral do hospital, além de representantes da Delegacia da Mulher de Cabo Frio e da Associação de Doulas do Rio de Janeiro.

Os diretores foram afastados do cargo no mesmo dia em que foram ouvidos pela CPI.

O caso também está sendo investigado em uma outra CPI na Câmara de Vereadores de Cabo Frio. Esta comissão tinha até o dia 11 de junho para concluir as investigações mas terá mais 30 dias além do prazo inicial.

All Posts
×

Almost done…

We just sent you an email. Please click the link in the email to confirm your subscription!

OKSubscriptions powered by Strikingly