返回網站

PM, guardas municipais e agentes da Seop agridem vendedor ambulante na zona sul do Rio

· Matérias

 PM, guardas municipais e agentes da Seop agridem vendedor ambulante na zona sul do Rio

Guardas municipais, agentes da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) e um policial militar agrediram ambulantes na noite do último domingo (22) na Praia do Leme, na zona sul carioca. Segundo a Prefeitura, os agentes precisaram intervir após um suposto furto do calçadão. Eles teriam sido, então, recebidos com garrafas arremessadas.

Em um vídeo que circula nas redes sociais, o cinegrafista afirma: "Vai matar o moleque, vai matar o moleque!". Outras pessoas gritam que o homem que está sendo agredido é trabalhador. O homem que está filmando volta a reclamar: "O cara trabalhando com nós aqui, olha que sacanagem, olha a covardia!".

Na página do Movimento Unido dos Camelôs, o Muca, uma mulher gestante, identificada apenas como Vivian, e que estava no local, fez nesta segunda-feira (23) um relato sobre a ocorrência.

"Fomos acusados de roubo e um rapaz saiu, chamou a guarda, fiscalização e eles chegaram agredindo e tacando spray de pimenta em todo mundo. A todo momento eu gritava falando que estou gestante, mas eles não queriam saber. O meu sobrinho estava saindo do trabalho e eles vieram batendo em todo mundo, sem perguntar, sem averiguar. Vários ambulantes já passaram por isso", contou.

Vivian também disse que conhece o homem que foi agredido: "O Lucas é trabalhador, ele foi preso, algemado e levado para a delegacia. A humilhação que o garoto passou... Trabalhou o dia inteiro em barraca de praia, no sol de 40 graus, sem saber de nada. Levou mais de seis choques elétricos", completou ela.

A deputada estadual Renata Souza (Psol) afirmou que "camelô é trabalhador e merece respeito". "Impossível não ficar com o coração apertado vendo as imagens de agentes da Seop, da Guarda Municipal e da PM agredindo trabalhadores ambulantes. Camelô é trabalhador e merece respeito".

A Guarda Municipal, a Polícia Militar e a Seop informaram que abriram uma investigação para o caso e vão analisar e apurar os excessos cometidos por agentes.

Brasil de Fato